Motivo #04: Toda língua estrangeira é estrangeira

Essa é uma obviedade do tamanho do universo. Toda língua estrangeira é estrangeira e, portanto, diferente da sua.

Quando vamos estudar outra língua, precisamos partir desse princípio – sempre!

Ainda assim, a mesma história continua se repetindo.

Você está estudando alemão e encontra uma novidade diferente: dativo, genitivo, declinação de adjetivos, verbos no final, etc. Logo bate aquela frustração e você pensa: “Ah, mas em português não funciona assim!”.

Bom, é claro que não.

É comum ouvir que o alemão é difícil porque é muito diferente do português. Na minha opinião, essa é uma desculpa bem esfarrapada.

Acho curioso que, quando o assunto é aprender inglês, esse pretexto da diferença é bem menos frequente.

É bom termos essa ideia em mente: você está aprendendo a língua do outro e, em princípio, não há nenhum motivo por que ela deveria ser igual à sua. É por isso que ela é uma língua estrangeira!

Até aí, nenhuma grande novidade. Mas, o que significa dizer que uma língua estrangeira é muito diferente do português?

O que exatamente é ‘língua’?

Como já comentei antes, ‘língua’ pode envolver muitos aspectos diferentes: vocabulário/léxico, estrutura de sentença, construção das palavras, pronúncia, ritmo de frase etc.

Quando comparamos duas línguas, pode acontecer que elas tenham semelhanças em um ponto específico. Por exemplo, o vocabulário delas pode ser parecido. É o que acontece com línguas latinas: português e espanhol, francês e italiano etc.

Mas isso não significa necessariamente que essa semelhança apareça em todos os outros níveis da estrutura da língua. Essas mesmas línguas podem ter diferenças gritantes em outros aspectos gramaticais.

A situação contrária também é possível. Duas línguas muito diferentes no vocabulário podem ter estruturas frasais idênticas, por exemplo.

Por exemplo, o turco e o alemão são bem diferentes na aparência. Mas ambas as línguas constroem sentenças com verbo na última posição.

Ben Türkiyeye geleceğimEu-Turquia’para-irei

Ich werde in die Türkei kommen — Eu-[verbo auxiliar de futuro]-para a Turquia-vir

Perceba que quase não há semelhanças de vocabulário, de pronúncia ou de grafia. Mas o verbo aparece na mesma posição. Curioso não?

Ou seja, quando dizemos que duas línguas são muito diferentes, precisamos especificar em que aspecto exatamente elas são semelhantes. As semelhanças em um ponto podem ser ‘compensadas’ por diferenças em outros.

Mas o alemão é mesmo muito diferente do português, não é?

Essa é a impressão que temos quando ouvimos o alemão falado ou lemos um texto escrito em alemão.

Realmente, a pronúncia dos sons da língua e o ritmo da fala é bem diferente. As combinações gráficas na escrita também assustam – principalmente no começo.

Mas também é verdade que existem muitas outras semelhanças.

Por exemplo, em alemão, também temos um sistema de pronomes com três pessoas [1ª pessoa, 2ª pessoa, 3ª pessoa] com singular e plural. O resultado é aquela tabela clássica de conjugação de verbos com seis linhas: ich, du, er/sie/es, wir, ihr, sie. Em português, também temos a mesma estrutura: eu, tu, ele, nós, vós, eles. [Ou pelo menos é isso que os livros escolares dizem!]

ich – eu

du – tu/você

er/sie/es – ele/ela/isso

wir – nós

ihr – vós/vocês

sie/Sie – eles

O alemão distingue os artigos por gênero [der, die, das], assim como o português [o, a]. Perceba que, nesse ponto específico, o inglês é mais diferente do português do que o alemão.

Mas ninguém diria que ele é mais difícil por conta disso!

O problema é que as pessoas insistem em destacar as diferenças e não dão muito valor para as semelhanças. Muitas vezes, damos por garantidas essas coincidências, como se a língua tivesse alguma ‘obrigação’ de ser parecida com a nossa.

O inglês também é diferente do português

Ainda pensando que toda língua estrangeira é diferente da sua, temos de lembrar outro detalhe: o inglês é tão diferente do português como o alemão.

Ao contrário do português, ambos colocam obrigatoriamente o adjetivo antes do substantivo.

The new project = Das neue Projekt ≠ O projeto novo

Ao contrário do português, ambos não flexionam adjetivo quando utilizado em função adverbial

The project is huge = Das Projekt ist riesig ≠ O projeto é imenso

The city is huge = Die Stadt ist riesig ≠ A cidade é imensa

Isso é só para ficar com alguns exemplos simples.

O fato é que também tivemos de encarar diferenças esquisitas para aprender inglês. No fundo, o trabalho é o mesmo.

Existem línguas mais/menos diferentes, não?

Sim, isso é verdade.

De todo modo, acho que isso é mais grave se você está tentando aprender uma língua não-indoeuropeia, como chinês, finlandês, árabe, yorubá ou algo assim.

Como uma língua da Europa ocidental, o alemão é sim diferente do português. Mas não mais do que o inglês ou o francês. O trabalho de conseguir aprender o alemão é o mesmo necessário para outras línguas.

Então, fica o recado: não vale usar isso como desculpa!

Mas então, por que aprendemos inglês mais rápido do que alemão? Bom, existem vários fatores em jogo e muitos deles na verdade são externos à estrutura da língua, por exemplo a presença do idioma no país.

Para concluir

Precisamos sempre partir do pressuposto que a língua estrangeira é diferente da nossa. Isso pode poupar frustrações desnecessárias, além desfazer dificuldades ilusórias que, no fundo, não estão ali.

Se você já superou a diferença em uma língua estrangeira, não existe nenhum motivo para não conseguir repetir a façanha com outra língua estrangeira.

É só ‘zerar’ a expectativa ingênua de achar que a língua do outro é igual a sua. Daí para frente, toda semelhança que você encontrar será lucro!

aprender alemão

0 comentários a “Motivo #04: Toda língua estrangeira é estrangeira”

Deixe um comentário!